No artigo de hoje vamos trazer as principais vantagens e desvantagens em se utilizar arquitetura monolítica e arquitetura de microservice.

Se analisarmos profundamente os padrões de arquitetura de software mais comuns presentes no mercado, vamos ver que na maioria dos casos, os desenvolvedores optam pelo padrão tradicional de desenvolvimento em camadas. Pois bem, isso cria camadas implícitas que separam os módulos do código-fonte em pacotes. E qual é o resultado? Um emaranhado de código difícil de compreender.

Isso geralmente é o resultado de um sistema ou arquitetura não estruturada que futuramente poderá ser difícil de dar manutenção além de apresentar fragilidades em termos de escalabilidade. 

Portanto, é muito importante prestar atenção à arquitetura de qualquer Aplicativo Mobile/ software que você pretende desenvolver.

Alguns especialistas podem se referir à arquitetura de software como um projeto de produto. Outros podem querer chamá-lo de um roteiro para o desenvolvimento de software.

Não importa como você deseja definir a arquitetura do seu aplicativo mobile/software, pois ela abrange o seguinte:

  • A estrutura central do sistema
  • As características / funcionalidades que o sistema deve suportar
  • As regras de como o sistema deve ser construído
  • Um conjunto adequado de diretrizes / princípios de design UI/UX

Existem no mercado de tecnologia de desenvolvimento mobile, vários padrões de arquitetura disponíveis para ajudar a definir as características básicas e o comportamento de um aplicativo. Por exemplo, alguns padrões de arquitetura gravitam naturalmente em direção a aplicativos altamente escaláveis, enquanto outros padrões de arquitetura tendem a aplicativos altamente ágeis.

Por esse motivo, é muito essencial entender os prós e os contras de cada padrão de arquitetura.

Quer descobrir as vantagens em ter um Aplicativo?

Junte-se a mais de 15.000 pessoas e aprenda tudo sobre aplicativos mobile e como essa tecnologia pode ajudar seu negócio a crescer no mercado.

Alguns padrões de arquitetura comuns incluem:

  • A arquitetura em camadas / padrão de arquitetura “n” camadas
  • Arquitetura de micro-kernel
  • Arquitetura orientada a eventos
  • Arquitetura de microsserviços
  • Arquitetura baseada no espaço
  • Padrão de monólito

Como proprietário do produto que você vai desenvolver com alguma empresa especializada, você deve compreender ou, ao menos ter uma noção básica, desses padrões e certificar-se de ter razões sólidas para o padrão que pretende ser utilizado.

Muitos proprietários / fundadores de tecnologia enfrentam problemas quando se trata de escolher um padrão de arquitetura. Existe uma forma de escolher de maneira mais adequada o padrão correto chamado método do círculo dourado de Simon Sinek.

Este artigo discutiu a principal diferença entre a arquitetura de microsserviços e o padrão de monólito. Vamos começar.

O que são microsserviços?

Grandes empresas em todo o mundo, incluindo Amazon, Netflix, Etsy e Uber, vislumbraram imensos ganhos de negócios seguindo o caminho dos microsserviços. Tanto que, microsserviços, agora, é a arquitetura padrão de inúmeras empresas em todo o mundo.

Em 2022, 90% de todos os novos aplicativos apresentarão arquiteturas de microsserviços que melhoram a capacidade de projetar, depurar, atualizar e aproveitar o código de terceiros; 35% de todos os aplicativos de produção serão nativos da nuvem. (Soure:  IDC )

Mas o que exatamente é isso?

Deixe-me começar descrevendo um fato interessante sobre a Suécia.

Se você já esteve na Suécia ou permaneceu lá, encontrará variações das mesmas marcações e sinais de trânsito que são usados ​​em todo o mundo desenvolvido.

Então, como é que este país tem uma das menores taxas de acidentes rodoviários. Poderia ser motoristas melhores, a forma como as estradas são projetadas ou leis de trânsito rigorosas? Bem, esses fatores certamente desempenham um papel, mas o crédito vai para o programa “Visão Zero”.

Eu sei que você deve estar se perguntando o que a segurança no trânsito tem a ver com arquitetura de software ou microsserviços?

Espere um minuto. Você vai descobrir.

Visão Zero tem tudo a ver com a redução de mortes relacionadas a acidentes de trânsito a zero. Seu objetivo é conseguir isso projetando sistemas viários que priorizem a segurança acima de todos os outros fatores, embora ainda reconheçam a importância de manter o tráfego em movimento. Em outras palavras, um sistema viário projetado antes de mais nada com a segurança em mente.

A crença central é – que a segurança de pedestres e motoristas é mais valiosa do que a necessidade de se deslocar de um lugar para outro o mais rápido possível.

Os projetistas de tráfego aplicam limites de velocidade, sinais de trânsito e padrões de movimento do tráfego de uma forma que beneficia a segurança geral do sistema. Por exemplo, embora seja necessário garantir o movimento dos carros na estrada, a velocidade é limitada a um nível que o corpo humano possa suportar em uma colisão, de acordo com os padrões técnicos dos veículos e estradas existentes.

Embora os limites de velocidade possam afetar a capacidade dos motoristas de chegar ao destino o mais rápido possível, a decisão do projeto é sempre orientada pela necessidade de proteger a vida humana.

Em vez de depender apenas de motoristas qualificados que sabem como evitar erros comuns, os projetistas do Vision Zero criam estradas responsáveis ​​pelos erros e erros de cálculo que muitos motoristas humanos inevitavelmente cometem. Embora seja responsabilidade do motorista cumprir as regras da estrada, os projetistas do sistema devem fazer o melhor para proteger os humanos, mesmo em situações em que os motoristas não cumpram.

(Fonte: Livro de Arquitetura de Microsserviços, O’Reilly)

Semelhante aos sistemas de tráfego, os produtos de software se tornam complexos à medida que aumentam na forma de escopo, volume e interações do usuário. Portanto, assim como os projetistas de estradas, os arquitetos de software devem saber como encontrar o equilíbrio entre velocidade e segurança.

As empresas usam a arquitetura de microsserviço para entrega mais rápida e, ao mesmo tempo, prestam atenção à segurança.

Como uma variante do estilo estrutural da arquitetura orientada a serviços, os microsserviços organizam um aplicativo como uma coleção de serviços fracamente acoplados. Em uma arquitetura de microsserviços, os serviços são refinados e os protocolos são leves.

Benefícios do uso de microsserviços

  • Independente por natureza – os microsserviços melhoram a escala e a robustez dos sistemas de software. Você pode misturar e combinar tecnologia usando-o. Traga mais desenvolvedores para resolver problemas sem que nenhum deles interrompa uns aos outros.
  • Foco – ajuda os desenvolvedores a se concentrarem em apenas uma parte de cada vez, pela qual eles são responsáveis.
  • Opções de tecnologia variadas – como os microsserviços funcionam isoladamente, você pode formar sua própria combinação certa de tecnologia, dependendo das necessidades de negócios. Misture e combine linguagens de programação, estilos, plataformas de implantação e bancos de dados.
  • Flexibilidade – talvez a maior vantagem de usar microsserviços. Você tem muitas opções quando se trata de resolver problemas.
  • Capacidade de substituição – A ideia de substituir componentes em vez de manter os existentes está no cerne desta abordagem.
  • Implantações de produção em tempo real – os microsserviços têm a capacidade de realizar implantações de produção em tempo real, reduzindo significativamente a necessidade de implantações de produção tradicionais mensais ou finais de semana. Como a mudança geralmente é isolada para componentes de serviço específicos, apenas os componentes de serviço que mudam precisam ser implantados.

Problemas de uso de microsserviços

  • Problemas de rede e latência – precisamos levar em consideração as latências porque a comunicação entre os computadores nas redes não é instantânea. Latências que superam em muito as latências que vemos nas operações locais em processo. O comportamento do sistema pode ser imprevisível quando as latências variam. As redes falham, os cabos são desconectados e os pacotes são perdidos.
  • Depuração complexa e teste de integração – Quando você tem vários serviços em execução, você tem vários logs, o que significa que é difícil e demorado ir até a origem do problema. Além disso, os componentes distribuídos significam que um sistema não pode ser totalmente testado por meio de uma única máquina.
  • APIs – cada microsserviço usa sua própria API. Você pode trabalhar independentemente em um microsserviço sem afetar todo o sistema. Mas se você fizer alterações em uma API, todos os microsserviços que usam essa API serão afetados (se as alterações não forem compatíveis com versões anteriores).
  • Caro – Para que os sistemas de software baseados em microsserviços sejam executados com eficiência, é necessário investir substancialmente em infraestrutura e engenheiros experientes para fazer o trabalho de manutenção e tecnologia necessário (devido a várias linguagens de programação e estruturas). Isso é especialmente verdadeiro quando uma empresa migra de sistemas baseados em monólito.

O que é arquitetura de monólito? Quais são suas vantagens e desafios?

Funcionalidades implantadas juntas em uma única unidade são consideradas um monólito. Existem 3 tipos de estruturas de monólito – o sistema de processo único, o monólito distribuído e sistemas de caixa preta de terceiros.

Implementação mais simples – Monoliths resultam em fluxos de trabalho de desenvolvedor muito mais simples. Conseqüentemente, monitoramento, solução de problemas e atividades como testes de ponta a ponta se tornam mais fáceis e simples.

Reutilização de código – você já quis reutilizar código em um sistema distribuído? Você sabe do que estou falando. Você pode ter que se perguntar sobre como quebrar bibliotecas, copiar código, empurrar funcionalidade compartilhada dentro de um serviço. Com uma arquitetura monolítica, o código existe apenas para ser usado.

Sem grandes re-arquiteturas – é muito mais fácil consertar sistemas baseados em monólito, pois eles têm uma implantação mais simples e única. Shopify, um dos mais conhecidos construtores de lojas de e-commerce, foi implantado usando uma arquitetura monolítica em seus primeiros dias. É baseado em Ruby on Rails. No entanto, eles agora mudaram para uma arquitetura de microsserviços com base em suas necessidades cada vez maiores de engenharia.

Manutenção fácil – Manter uma base de código inteira em uma única base definitivamente tem suas vantagens. Sem complexidades de qualquer espécie. Basta manter um repositório e pronto. Apenas um teste e pipeline de implantação precisam ser atendidos.

Não se preocupe com a API – Com os monólitos, os desenvolvedores podem chamar diferentes componentes diretamente em vez de usar APIs. Portanto, você não precisa manter essas versões e se preocupar com a compatibilidade com versões anteriores.

Aqui está uma conversa interessante que inclui por que os monólitos são o futuro.

Conta aí pra gente o que você achou desse artigo

Artigos Relacionados